Festival Novas Invasões transportou Torres Vedras para o século XIX

3 de setembro de 2019

Ao longo dos últimos quatro dias, o festival Novas Invasões dinamizou a cidade de Torres Vedras, evocando a época das Invasões Francesas e transportando a cidade para o século XIX. Cerca de 40 mil pessoas visitaram o festival, que contou com mais de 140 atividades, divididas entre a componente histórica e a programação contemporânea.

Um dos epicentros da recriação histórica encontrava-se no Largo de São Pedro, com um Mercado Oitocentista composto por cerca de 70 bancas. Além dos ofícios de época e do hospital de campanha, era possível provar os petiscos da região ao som de música tradicional, enquanto os grupos de animação de rua divertiam quem por ali passava.

À semelhança das edições anteriores, o movimento associativo do concelho marcou presença no evento, com cerca de 70 associações locais a darem o seu contributo para o Mercado Oitocentista e para a animação do certame, compondo a vasta programação do evento. Sublinhe-se, ainda, que o evento contou com a participação de 42 voluntários, que colaboraram na execução de várias tarefas necessárias à realização do festival.

asda

O Castelo e o Forte de São Vicente foram palco de recriações históricas, com atividades que decorreram ao longo dos quatro dias do Novas Invasões. Ali, o destaque foi para os almoços no acampamento e os jantares com recriadores, onde era possível degustar ceias de época, num cenário em que nenhum pormenor foi esquecido.

No que toca à programação contemporânea do festival, o destaque vai para a presença de artistas de Portugal, Alemanha, França e Espanha, com performances ao ar livre que decorreram em vários pontos da cidade. Da Alemanha, “país-invasor” desta edição, chegaram os Theater Titanick para apresentar Sonnambulo, uma performance inspirada em Hieronymus Bosch e Pieter Bruegel que fez encher o Parque do Choupal.

O português Jonas Runa marcou as noites de sexta-feira e sábado, ao executar Space Invaders, uma autêntica viagem ao futuro junto ao Chafariz dos Canos. Já os espanhóis da Companhia Tiritirantes deram corpo a Ulterior, El Viaje, um espetáculo de novo circo que encantou público de todas as idades. Durante o fim de semana, Les Irréels apresentaram personagens que vivem numa comunidade paralela à dos humanos, numa experiência com muitas surpresas para os visitantes que passaram pelo Parque do Choupal.

asda

Ciclo de Cultura Alemã “invadiu” a Praça Dr. Alberto Manuel Avelino, onde se contaram histórias para toda a família e se dinamizaram workshops que foram da cerveja germânica às danças tradicionais alemãs.

Um pouco mais acima, a Paços – Galeria Municipal de Torres Vedras acolheu a inauguração de três mostras, que estarão patentes até 29 de setembro: Homem Morto Passou Aqui – projeto fotográfico de Valter Vinagre –,  INFLUENCER : o efeito Bauhaus – exposição do serviço educativo da Paços – Galeria Municipal – e Ballet Triádico – com a reprodução vídeo de um bailado inaugural da modernidade da autoria de Oskar Sclemmer.  

A exposição de brinquedos alemães de Octávio Neves estará no Atelier dos Brinquedos até 29 de setembro. Casa Hipólito - O Modus Operandi está patente na Câmara Clara da Cooperativa de Comunicação e Cultura até 26 de outubro e é um dos cinco projetos que resulta das bolsas de criação artística lançadas pela Câmara Municipal de Torres Vedras.

A par do projeto da Cooperativa de Comunicação e Cultura, também os projetos Struggle Like a (WO)Man #1, da EMERGE – Associação Cultural para a Promoção da Arte Contemporânea, Nos pés carrego as emoções do mundo, da CruzaMenTes - Companhia de Música Teatral, Com que Linhas se Descose a Guerra, d’A Bolha – Teatro com Marionetas, e A-da-Vinha, do ATV – Académico de Torres Vedras, integraram o programa do festival Novas Invasões.



[Fotos: Eyemedia]