Novas Invasões, um desafio que percorre Torres Vedras

31 de agosto de 2019

NOVAS INVASÕES, UM DESAFIO QUE PERCORRE TORRES VEDRAS

Depois de um primeiro dia em que as ruas do centro histórico de Torres Vedras encheram, o  Novas Invasões continuou a promover a fusão entre a arte contemporânea e as recriações históricas. Uma experiência imersiva que continue até domingo, com uma programação que promete desafiar constantemente o público.

“Acho que o Festival é maravilhoso neste aspeto de confrontar-nos com a arqueologia, com os nossos preconceitos, e de dar às pessoas este ‘encontrão’ para se confrontarem com o mundo onde vivemos” afirma João Garcia Miguel, diretor artístico do Festival. Aqui, “as pessoas confrontam-se com expressões artísticas muito inabituais.”

Este ano, segundo João Garcia Miguel, “demos um salto muito grande em termos das duas edições anteriores: público, qualidade técnica, comunicação e ordenamento do próprio espaço do festival, que é gigantesco.”

 

 

Quando a comunidade “calça as luvas”

Rumamos até à Praça do Município para encontrar Sónia Carvalho. A artista do Porto desenvolveu Struggle Like a (WO)Man #1, um projeto coproduzido pela EMERGE – Associação Cultural para a Promoção da Arte Contemporânea em especial para o Novas Invasões, fruto das bolsas de incentivo à criação artística lançadas pela Câmara Municipal de Torres Vedras.

 “Eu estava com umas luvas domésticas e tinha precisamente a ver com a ausência de um corpo feminino, porque a pintura é neutra” explica Sónia, sobre o que deu a origem ao projeto que procura refletir sobre o lugar da mulher na sociedade. Em cima da mesa está a “batalha multidimensional que a mulher tem consigo própria. (…) Andamos sempre neste limbo emocional sobre o que é melhor para nós, que papéis queremos assumir.”

 Foi assim que 15 mulheres torrienses de diferentes gerações (dos 15 aos 72 anos) participaram num workshop prático, que também contou com uma componente teórica sobre arte performativa. As participantes que completaram a oficina na totalidade dão agora corpo à apresentação do projeto durante o festival, com performances a decorrer todos os dias, às 18h00, no Parque do Choupal.

 Existem, ainda, intervenções fotográficas em cinco pontos da cidade (do Chafariz dos Canos à Igreja de Santa Maria do Castelo, enquanto lugares de encontro comunitário) da autoria de Marisa Bernardes. “Foi um desafio trabalhar com estas mulheres que têm imensa força” conta Marisa. Em Torres Vedras, através deste percurso fotográfico, procura “elevar a mulher, não como uma coisa sagrada, mas com uma coisa com força. O espectador que vir as imagens vai estar ao nível delas, ou se calhar, até mais baixo do que elas.”

A ópera comunitária É Possível Resistir também esteve em destaque esta sexta-feira, com repetição marcada para este sábado. Uma ópera comunitária com libreto de Rui Zink, numa composição de Luís Soldado e encenação de Linda Valadas, que junta o Grupo de Música Contemporânea de Lisboa, o Académico de Torres Vedras, a Escola de Música Luís António Maldonado Rodrigues e a Banda da Juventude Musical Ponterrolense. A performance, de carácter itinerante, tem início às 17h00 junto ao Chafariz dos Canos, terminando na Praça Machado Santos.


Um percurso que também é expositivo

 

O programa do Festival Novas Invasões conta, ainda, com quatro exposições, inauguradas esta sexta-feira. Casa Hipólito - O Modus Operandi, patente na Câmara Clara da Cooperativa de Comunicação e Cultura, apresenta dois núcleos expositivos e um percurso interpretativo que refletem sobre o trabalho em torno do design industrial e gráfico da histórica empresa torriense, entre 1910 e 1999.

 Seguiu-se a inauguração de Homem Morto Passou Por Aqui na Paços – Galeria Municipal de Torres Vedras. O projeto, que teve início há dois anos, leva Valter Vinagre a revisitar locais por onde passaram as Invasões Francesas, fotografando exatamente à mesma hora a que decorreram importantes episódios históricos.

 Tendo em conta que a Alemanha é o país “invasor” desta edição do festival, o melhor é explorar INFLUENCER : o efeito Bauhaus, a exposição do serviço educativo da Paços – Galeria Municipal. No ano em que se assinala o centenário da icónica escola alemã, a mostra apresenta um conjunto de trabalhos que têm influência direta de algumas obras e autores ligados a esta escola. Também patente até 29 de setembro, no mesmo espaço, é possível assistir a Ballet Triádico, a reprodução vídeo de um bailado inaugural da modernidade da autoria de Oskar Sclemmer, pintor e professor na Bauhaus.

 Para os mais pequenos, o Atelier dos Brinquedos apresenta uma exposição de brinquedos alemães reunida por Octávio Neves ao longo de vários anos e adquirida pela Câmara Municipal de Torres Vedras em 2015.

 

  O futuro em pleno centro histórico

 Coube a Jonas Runa um dos momentos que marcou o segundo dia do Novas Invasões. Space Invaders foi a performance que decorreu no Largo Infante D. Henrique e que representa uma “invasão do futuro”. Jonas explica que se trata de “um espetáculo com muitas dimensões”, que tem como base os novos meios eletrónicos. “Através da eletricidade, da eletrónica, podemos coordenar o som, a luz, a imagem” adianta o artista, que utiliza um fato com 1200 lâmpadas LED e vários sensores. “Ao dançar, o meu gesto provoca luz e som.”

Através de computador, cada uma das 1200 lâmpadas pode ser programada até 16 milhões de cores, o que exige muitas “horas de programação e ensaios”. Afinal, O espetáculo foi intensivamente preparado ao longo de dois meses.

 “Uma das coisas que mais me inspira foi as recentes descobertas das ondas gravitacionais” explica Jonas Runa, que tem formação em música clássica. “Podemos pensar [nas ondas gravitacionais] como uma espécie de som, em que o próprio espaço vibra e se propaga pelo cosmos fora.” Space Invaders faz, pois, o convite para uma viagem ao futuro em pleno centro histórico de Torres Vedras. Uma jornada que se repete este sábado, às 24h00.

 O Novas Invasões decorre em Torres Vedras até domingo, aliando uma vasta programação contemporânea à componente de recriação histórica da época das Invasões Francesas. Às recriações que decorrem no Castelo e no Forte de São Vicente, soma-se o Mercado Oitocentista, no Largo de São Pedro, e o Baile Gaiteiro, este sábado, às 22h00, junto ao Mercado Municipal de Torres Vedras. 

O Festival Novas Invasões é uma organização da Câmara Municipal de Torres Vedras. Patrocinador: EDP Distribuição. Cerveja oficial: Heineken. Água oficial: Vimeiro. Apoio: Barraqueiro Oeste e Extincêndios. Com o apoio: Ministério da Cultura.

 

Rita Santos