Uma viagem no tempo com o Novas Invasões

1 de setembro de 2019

UMA VIAGEM NO TEMPO COM O NOVAS INVASÕES

O Novas Invasões transportou Torres Vedras para o século XIX. Desde quinta-feira, o festival tem gerado múltiplas enchentes no centro histórico de Torres Vedras, levando todos os que o visitam numa viagem até à época das Invasões Francesas. “Estamos todos muito satisfeitos porque vemos uma cidade em festa, bem-disposta. Cultura é isto mesmo” afirma Rui Brás, chefe da Divisão de Cultura, Património Cultural e Turismo da Câmara Municipal de Torres Vedras.

Um dos polos desta cidade em festa é o Largo de São Pedro, com um Mercado Oitocentista onde se encontra um pouco de tudo: dos tradicionais petiscos e artesanato, passando por ofícios de época, até ao hospital de campanha onde vão chegando feridos de guerra. Um local “onde a componente histórica está mais presente” e em que as cerca de 70 bancas que lhe dão forma procuram “a autenticidade, o respeito por aquilo que era oitocentista.”

Na Taberna da Memória, por exemplo, há muito por onde provar: filhós, arroz doce tradicional, pataniscas, bifanas e peixinhos da horta. Mas também há crepes (os mais curiosos podem optar pelo crepe de cerveja) a sair na hora, “uma imitação do que os franceses cá deixaram.” Maria da Graça Lourenço, presidente da Pró-Memória - Associação Cultural e Etnológica de A dos Cunhados, conta que 27 elementos da associação estão envolvidos no trabalho desta taberna.

Afinal, explica Maria da Graça, o objetivo da associação é mesmo “preservar as memórias, materiais, orais ou ambientais. Tudo o que tenha a ver com as tradições e a história da nossa freguesia e do concelho.”

Um pouco mais à frente encontramos a Taberna Velha. Marisa Saldanha é secretária-geral do ATV – Académico de Torres Vedras, que integra o Mercado Oitocentista desde a primeira edição do Novas Invasões, e destaca que as cerca de 28 pessoas que dinamizam esta taberna o fazem voluntariamente, de forma a angariar fundos para a associação. E não tem dúvidas em aconselhar os visitantes que passem por aqui até domingo: “o ‘prato à grande e à francesa’ acompanhado por uma sangria feita por mim.”

 

Bailando ao som de gaiteiros

A noite de sábado do Novas Invasões ficou marcada pela apresentação do Baile Gaiteiro, junto ao Mercado Municipal de Torres Vedras. Depois de workshops que decorreram em vários pontos do concelho (incluindo um workshop dedicado às danças tradicionais europeias, este sábado, no âmbito do festival), foi a vez de juntar alunos e curiosos para bailar à moda oitocentista.

Carlos Pedro Alves, mandador e orientador dos workshops, explica que o baile se fez de “uma mistura entre danças históricas, aquelas danças que a história nos diz que ao tempo das Invasões Francesas terão chegado a Portugal e sido introduzidas na nossa tradição, no nosso folclore”, mas também de danças portuguesas e de outras partes do mundo.

“Na verdade, este festival Novas Invasões celebra um pouco isso. Não a invasão por si só, mas a forma como cada país pode contagiar os outros e como podemos interagir culturalmente uns com os outros” diz o mandador, explicado que o projeto envolveu cerca de 150 pessoas. Nesta noite, a música esteve a cargo do trio Zikhamu, com os seus 12 instrumentos tradicionais, e dos gaiteiros que deram forma ao segundo Encontro de Gaiteiros de Torres Vedras.

 

Do histórico ao contemporâneo

“De certa forma, é um festival ímpar a nível nacional” afirma Rui Brás sobre o Novas Invasões, relembrando a fusão entre as recriações históricas e a programação contemporânea. Uma ligação que foi materializada, logo no primeiro dia, recorda, através da cerimónia de abertura que uniu o Forte de São Vicente ao Mercado Oitocentista.

No que toca à programação contemporânea deste sábado, Ulterior, El Viaje foi um dos espetáculos em destaque. As ruas do centro histórico encheram para ver passar a companhia espanhola Tiritirantes, numa viagem ao futuro encabeçada por duas criaturas semelhantes a dragões.

O Novas Invasões termina este domingo, com todas as atenções voltadas para o Cortejo das Luminárias, às 21h30, que irá unir o Largo de São Pedro ao Parque do Choupal. O cortejo, iluminado por cerca de mil luminárias, irá contar com a participação da Cia. Tiritirantes, do grupo Nice Groove Batucada Lusófona e Skalabatuka, da Escola de Teatro Anrique da Mota e dos DJ e VJ Guerrilha Sound System.

Durante a tarde, ainda é possível assistir a novas sessões de Les Irréels, pelos franceses Cie. Créature, às 16h00, no Parque do Choupal, e de El Onírico Interior, pelos espanhóis Cia. Holoqué, às 17h00, na Praça Dr. Alberto Manuel Avelino.

O Festival Novas Invasões é uma organização da Câmara Municipal de Torres Vedras. Patrocinador: EDP Distribuição. Cerveja oficial: Heineken. Água oficial: Vimeiro. Apoio: Barraqueiro Oeste e Extincêndios. Com o apoio: Ministério da Cultura.

 

Rita Santos
Assessora de Imprensa | Área de Comunicação