Óscar Hernández foge para a amarela

14 de julho de 2018

Óscar Hernández foge para a amarela

O espanhol Óscar Hernández (Aviludo-Louletano-Uli) venceu hoje a segunda etapa do Troféu Joaquim Agostinho, uma ligação de 144 quilómetros, entre Serra d’El Rei e Torres Vedras, e é o novo dono da camisola amarela.

Assistiu-se a uma etapa morna e lenta, que apenas aqueceu nas duas últimas voltas ao circuito de Torres Vedras, quando, a cerca de 30 quilómetros do final, um grupo de 14 corredores saiu de pelotão para discutir a etapa.

Óscar Hernández e Alejandro Marque (Sporting-Tavira) eram os mais bem colocados do grupo na classificação geral. O pelotão tentou contrariar a iniciativa do numeroso grupo, através da perseguição movida pela W52-FC Porto e pela Euskadi Basque Country-Murias, mas nada pôde fazer para evitar o sucesso de Óscar Hernández.

O espanhol da Aviludo-Louletano-Uli, já vencedor do Troféu Liberty Seguros nesta temporada, atacou no grupo dianteiro, a cerca de 4 quilómetros do final, na companhia do compatriota Jesús del Pino (Efapel). Os dois entenderam-se preparavam-se para discutir o triunfo na etapa, quando, nos dois quilómetros finais, Jesús del Pino caiu, estendendo, involuntariamente, a passadeira vermelha para o sucesso do colega de fuga.

Óscar Hernández cortou a meta com 3h59m19s de corrida, à baixa média de 36,103 km/h, condicionada pelo forte vento, com 4 segundos de vantagem sobre os mais diretos perseguidores. O uruguaio Fabricio Ferrari (Caja Rural-Seguros RGA) foi o segundo e o português António Barbio (Miranda-Mortágua) foi o terceiro. Devido à queda dentro dos três últimos quilómetros, Jesús del Pino foi creditado com o mesmo tempo do vencedor.

José Neves (W52-FC Porto) chegou no primeiro pelotão, a 26 segundos do vencedor, entregando a camisola amarela a Óscar Hernández, que está na dianteira com 14 segundos de vantagem sobre Alejandro Marque e com 19 segundos sobre António Barbio.

“O meu colega David da la Fuente fez um trabalho excecional na fuga, puxando sozinho 15 ou 20 quilómetros. A um quilómetro do alto da serra da Vila ataquei com o António Barbio e com o Jesús del Pino. Na descida fiquei apenas com del Pino, que caiu e eu ganhei. Sinto-me bem, mas não esperava chegar à liderança. Amanhã penso que poderei defender a camisola amarela. Veremos como respondem as pernas”, diz o novo comandante da geral, da classificação por pontos e do combinado.

José Neves perdeu a amarela, mas manteve a laranja, símbolo de melhor jovem. Tiago Ferreira (W52-FC Porto), na montanha, e Gotzon Udondo (Euskadi Basque Country-Murias), nas metas volantes, seguraram as respetivas lideranças. A W52-FC Porto segue no topo da geral por equipas.

A 41.ª edição do Grande Prémio Internacional de Torres Vedras – Troféu Joaquim Agostinho termina neste domingo, dia em que se disputa a etapa-rainha. A tirada decisiva começa no Cadaval, 11h20, terminando cerca das 15h20, no alto de Montejunto, onde a meta coincide com um prémio de montanha de primeira categoria, no final dos 172 quilómetros da viagem. A derradeira subida é antecedida por duas outras montanhas, uma de segunda categoria e outra de primeira, ambas nos derradeiros 25 quilómetros.