Obras nas futuras instalações do Museu Joaquim Agostinho avançam em breve

12 de setembro de 2018

Obras nas futuras instalações do Museu Joaquim Agostinho avançam em breve


Foi assinado, esta quarta-feira, o Contrato de Empreitada para Reabilitação de Edifício para o Museu Joaquim Agostinho. O contrato, assinado por Carlos Bernardes, presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, e Mário Correia, presidente do Conselho de Administração da Secal – Engenharia e Construções, SA, contempla a reabilitação e adaptação do antigo refeitório da Casa Hipólito, em Torres Vedras, para albergar as instalações do museu.
Rui Brás, chefe da Divisão da Cultura, Património Cultural e Turismo da Câmara Municipal de Torres Vedras, deu início à cerimónia de assinatura, que se realizou nas futuras instalações do museu, com a apresentação do programa funcional. Seguiu-se a apresentação do projeto da intervenção a realizar, por João Carriço, arquiteto da Câmara Municipal de Torres Vedras.
Delmino Pereira, presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo, demostrou disponibilidade por parte da Federação para “colaborar na dinamização do museu” com o objetivo de dar a conhecer a modalidade e o legado deixado por Joaquim Agostinho. Também Carlos Bernardes falou na importância de relembrar “a figura maior que foi Joaquim Agostinho” de um ponto de vista pedagógico e educativo.
O autarca está convicto que o “museu irá ao longo da sua história trazer muitas personalidades do ciclismo internacional até Torres Vedras”, sendo por isso uma mais-valia para o desenvolvimento local. Carlos Bernardes relembrou também que as "Agostinhas" têm cada vez mais utilizadores e importância de, em associação com o museu, continuar a promover a utilização da bicicleta.
Recorde-se que, desde 2014, a Câmara Municipal de Torres Vedras encontra-se a reunir informações e objetos relacionados com o trajeto desportivo de Joaquim Agostinho, tendo já adquirido o espólio de Francisco Araújo, mecânico do atleta, e chegado a acordo para a cedência em rotatividade do espólio detido pela família de Joaquim Agostinho.
A obra vai ter um custo de 576.801,70 euros e prevê-se que a execução da empreitada esteja concluída em 2020.