Candidatos à AR de Torres Vedras, pelo Círculo Eleitoral de Lisboa

11 de julho de 2019

No passado dia 8 de junho, foi apresentada a lista de candidatas e candidatos do Bloco de Esquerda à Assembleia da República, pelo círculo eleitoral de Lisboa, para as próximas eleições legislativas a realizar a 6 de outubro.

Entre os 48 candidatos deste círculo eleitoral, estão 2 nomes de aderentes pertencentes à concelhia de Torres Vedras:

Pedro Pisco, 50 anos, administrador de sistemas e redes de dados.

Diogo Franco, 20 anos, estudante universitário de turismo.

O Bloco de Esquerda do Concelho de Torres Vedras, fica assim representado na lista de candidatas e candidatos, em todas as suas lutas de sempre e que estão cada vez mais atuais.

Responder à urgência climática com um programa eleitoral ambicioso que integra, nesta vertente, medidas fortes de combate às carências das populações e às desigualdades sociais, é a luta que começa desde já a ser travada, em nome de um futuro melhor para todas as gerações.

Clima, antirracismo, feminismo, direitos LGBT+, melhores salários, combate às desigualdades salariais entre sectores privado e público (salário mínimo) e à precariedade no emprego, serviço nacional de saúde, transportes, habitação, reestruturação da dívida, aposta nas fontes de energia limpa, são alguns dos temas a que o programa eleitoral do Bloco de Esquerda, desenhado para governar, responde, em nome de uma sociedade mais justa onde todas e todos têm direito a uma vida digna, num planeta que urge salvar.

O Bloco de Esquerda de Torres Vedras, contribui com o Pedro e com o Diogo, para uma lista absolutamente paritária (24 mulheres e 24 homens) onde se tentou fazer representar toda a sociedade portuguesa e todos os ativismos que o Bloco abraça e apoia.

A lista de candidatos pelo círculo de Lisboa, onde Torres Vedras se integra, inclui investigadores nas vertentes tecnológica e social, especialistas em economia, ativistas antirracistas, pelo clima, pelos direitos LGBT+, contra a precariedade laboral, estudantes universitários e ativistas estudantis. Contém candidatos dos 19 aos 69 anos, ativistas feministas, desempregados, operários…

É uma lista para ir a votos com todas as lutas que é preciso travar na sociedade portuguesa.